Archive for Novembro 2007

Este Homem Faz-me Feliz


Ir a concertos tem o que se lhe diga. O momento pré-concerto envolve algumas emoções, difíceis de gerir. Já andava há uns meses a pensar no do Josh Rouse e é com vergonha que digo, que não fiz os trabalhos de casa. Não conheço muito bem os últimos álbuns. Isto não é algo que se admita publicamente de ânimo leve! Oh no... Principalmente, porque gosto muitoooo do senhor.

Os meus medos eram, portanto, inquietantes e qualquer quer um que goste de música, de concertos e tenha um "cantor preferido", entende-me perfeitamente.
E se eu não conhecesse a maioria das canções? Pior... E se eu não conhecesse a maioria das canções E NÃO GOSTASSE DELAS? Pois é! Lá se íam 5 anos de fanatismo por água a baixo e isso é das piores coisas que pode acontecer a um fã! Deixa um vazio pior, que o fim de um livro ou de uma novela.

Mal o Josh tocou os primeiros acordes, os medos dissiparam-se. Tocou antigas e novas (e que boas que elas são). Tenho que ouvir os últimos discos.

Musicalidades à parte, mal vi este senhor entrar em palco, pensei no meu segundo primo trintão, que trabalha na contabilidade de uma loja de ferragens, de Rio Tinto e que ainda mora com a mãe. Calça, blazer e colete - com falta de ferro-de-engomar -, camisa azul e gravata bordeaux. Parecia que tinha acabado de sair do escritório e vinha fazer uns biscates ao Thearo Circo, para ganhar uns trocos para insonorizar a garagem lá de casa, onde ensaia com os amigos ao fim-de-semana. (O barulho dá dores de cabeça à minha tia)

"Obrigado por terem vindo e por terem esperado. Sei que é tarde para uma Terça-feira à noite, por isso vamos lá começar isto, para acabarmos o quanto antes" disse o Josh.

Cada música foi um sorriso e isto para um concerto é dizer muito. Tive pena que ele seja um preguiçoso, porque soube a pouco, mesmo pouquinho.

E lá para o fim, eu sei que ele olhou para mim - embora a Lara JURE que foi para ela. Sei que não foi, mas para deixá-la feliz, deixei-a acreditar que sim. E digo-vos uma coisa, não fosse eu não ter feito o buço nesta noite, não sei o que aconteceria!


2 mais 2


Silvestre em atitude pensativa.

A criança está cada vez menos perdida na cidade. Noto isso nas pequenas coisas.

No outro dia fui ao super-mercado, onde vou com muita frenquência e onde quase toda a gente que lá trabalha é muito agradável. Fiquei triste ao saber que a menina mais simpática da caixa, se vai embora. Suponho que são as pequenas alegrias e tristezas quotidianas, que nos fazem "fazer parte".

A menina da caixa registadora vai-se embora, outra igulmente simpática virá, a minha vida vai continuar exactamente igual, mas por breves momentos tive uma sensação de perda em relação aquela pessoa - cujo o nome desconheço - que me soma, dia sim, dia não, a mercearia!


O Eterno Retorno




Imagina que tinhas que viver a tua vida repetidamente, num eterno retorno, por toda a eternidade, tal como a viveste: com todas as alegrias, tristezas, com todos os detalhes ... Voltarias a fazer tudo da mesma forma?

Quando tenho que tomar uma decisão que me parece importante, penso nisso.

Põe-te confortável Ernesto!


O mundo é constituído por 2 tipos de pessoas: as que mandam na sua própria vida e as que deixam que mandem na sua própria vida.

As segundas são miserabilistas, culpam a sua infelicidade em tudo o que lhes é externo e não se dão conta, de uma vez por todas, que só se anda por aqui uma vez e que só nós podemos decidir sobre nós.

Estou farta que se me venham queixar. Estás mal, põe-te bem, oh Ernesto!